Fundador jornalista Jerffeson de Miranda em 10 de janeiro de 2018

Cidadão Repórter

(93)91472925
Santarém(PA), Terça-Feira, 07 de Dezembro de 2021 - 18:25
30/07/2021 as 08:53 | Por Redação |
Justiça do Pará condena homem acusado de envenenar seis crianças
A motivação do crime teria sido o fim do relacionamento do réu com uma mulher que tem parentesco com as crianças
Fotografo: Reprodução
Julgamento contou com representantes do MPPA, os promotores de Justiça Alan Johnes Lira Feitosa e Aline Neiva Alves da Silva

Na última quarta-feira (28) ocorreu o julgamento em Paragominas a respeito de um crime bárbaro que aconteceu em 2018. Um homem de 48 anos, na época, envenenou com aldicarbe, “chumbinho” seis crianças, por vingança. Ele preparou pães com manteiga e veneno para oferecer às crianças. Todas as vítimas eram da mesma família e tinham parentesco com a ex-companheira do réu, ele cometeu o crime por não aceitar o fim do relacionamento. Uma das vítimas, de apenas cinco anos, não resistiu e morreu.  

O julgamento aconteceu pelo Tribunal do Júri, presidido pelo juiz de Direito David Guilherme de Paiva Albano. O homem foi condenado por homicídio duplamente qualificado, por motivo fútil e com emprego de veneno, pela criança que veio a óbito e por tentativa de homicídio com as mesmas qualificadoras para as demais vítimas que sobreviveram. Destaca-se que há excessivo grau de culpabilidade, tendo em vista a premeditação e malícia com que o réu agiu. O motivo e as circunstâncias do crime também são agravantes, pois o autor do crime tinha relação familiar e de confiança com as vítimas. Além disso, o envenenamento e o fato de ser um crime contra crianças também são sérios agravantes.  

De maneira que, a pena total foi definida em 108 anos e oito meses de reclusão. O réu deverá iniciar o cumprimento da pena em regime fechado, considerando a quantidade de pena aplicada e, dada a conjuntura atual, ser nocivo à sociedade, merecendo uma reprimenda maior e uma resposta eficiente do poder Judiciário. O juiz também manteve a prisão preventiva e negou o direito de recorrer em liberdade.  

O julgamento que acabou às 20h contou com representantes do Ministério Público do Estado do Pará (MPPA), os promotores de Justiça Alan Johnes Lira Feitosa e Aline Neiva Alves da Silva. 

Fonte: Assessoria de Comunicação/MPPA 

 




Notícias Relacionadas





Entrar na Rede SBC Brasil