Fotografo: Reprodução
...
Chegada dos filhotes na tarde desta quarta-feira (16), no zoológico da Unama, em Santarém

Na tarde desta quarta-feira (16), três filhotes de peixes-boi foram transferidos da capital Belém, para o município de Santarém, no Pará. A ação é uma parceria do ZOOUNAMA com o Instituto Biologia e Conservação dos Mamíferos Aquáticos da Amazônia (BioMA), da Ufra, o ICMBio/CEPNOR, o Instituto Bicho D’água e o Grupamento Aéreo de Segurança Pública (Graesp), com objetivo de garantir o bem-estar dos animais visando uma possível soltura em seu habitat. 

Transferência dos peixes-boi

No Brasil, os sirênios são protegidos pela legislação da fauna silvestre, Lei Federal de Proteção à Fauna (Lei nº 5.197, de 03-01-1967) e sua alteração (Lei nº 7.653, de 18-12-1987) e pela Lei de Crimes Ambientais (Lei nº 9.605/98, de 12-02-98). No entanto, os peixes-boi encontram-se listados como animais ameaçados de extinção no Brasil, conforme a Instrução Normativa No 03/2003 e o Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção como “Em perigo” (ICMBio 2018). O peixe-boi-da-Amazônia (Trichechus inunguis) (Natterer, 1883) encontra-se como uma espécie “Em perigo” na Lista de Espécies da Flora e Fauna Ameaçada de Extinção no Estado do Pará (COEMA, 2007), “Vulnerável” pela “Lista Nacional Oficial de Espécies da Fauna Ameaçadas de Extinção” (Brasil, 2019).

No município de Belém, encontravam-se atualmente 3 peixes-boi-da- Amazônia em reabilitação. Devido à grande crise financeira a quais as ONGs enfrentam, sem patrocínios, a permanência desses animais acaba, tornando-se inviável. Até então esses animais encontravam-se na base do BIOMA, sediada nas dependências do CEPNOR/ICMBIO, na Universidade Rural da Amazônia (UFRA). As instituições BIOMA e Bicho D’água se revezam para os cuidados dos animais. Por este motivo, visando o bem estar animal qualidade de vida deles, por meio de tratativa entre o CEPNOR/ ICMBio e ZooUnama, foi acordado a transferência dos animais para o município de Santarém, onde existe um centro de reabilitação estabelecido e com equipe dedicada à manutenção dos animais oriundos de resgate no estado do Pará.

Os animais seguiram os protocolos de translocação, onde foram transportados em cima de colchonetes, cobertos com toalhas úmidas, com olhos protegidos com gazes e soro fisiológico, tendo o monitoramento da temperatura e visual durante todo o voo (Figura 1). O transporte foi realizado por equipe técnica do Instituto Bioma, com apoio do Instituto Bicho D’água.

BREVE HISTÓRICO DOS ANIMAIS

Segue breve histórico de vida dos filhotes que precisam de transferência para o ZooUnama:

Neguinha: resgatada em Limoeiro do Ajuru, em abril de 2018. Atualmente encontra-se com 60 kg e 1,5m.

Cametá: resgatado em dezembro de 2019, no município Cametá. Atualmente pesa 20 kg e mede aproximadamente 1,10 m.

Arari: foi o animal resgatado em Cachoeira do Arari, Ilha de Marajó, no final de fevereiro de 2020. Permaneceu desde do seu resgate até final de agosto aos cuidados do Instituto Bicho D’água, foi transferido no dia 28 para o CEPNOR para junto dos demais animais. Atualmente encontra-se sobre a custódia dos Bioma, e apoio do Bicho D’água. Ele foi um animal que chegou bem abatido, pesando 12 kg, atualmente encontra-se com 30 kg e 1,20 m e em bom estado de saúde.

Essa é uma ação conjunta de diversas instituições, tem o apoio no deslocamento do Governador Helder Barbalho, e do Secretário Regional de Governo do Oeste Henderson Pinto.

Fonte: Portal Santarém e Lana Mota