Fotografo: Reprodução
...
Um treinamento para o atendimento de acidentes ofídicos foi realizado no HMS

O uso adequado dos soros antiofídicos, agilidade no acolhimento e como identificar através dos sintomas do paciente a espécie do animal foram as informações repassadas nos quatro dias da capacitação, que ocorreu de 4 a 7 de dezembro, no Hospital Municipal de Santarém Dr. Alberto Tolentino (HMS). Os colaboradores de enfermagem que atuam diretamente com esses casos participaram. O tema do treinamento foi “As melhores práticas do atendimento aos acidentes ofídicos”.

De janeiro a novembro deste ano, 319 casos de acidentes com animais peçonhentos foram registrados na Unidade. Segundo o infectologista do Hospital, Dr. Renato Saide, o HMS é referência no atendimento a pacientes picados por animais peçonhentos em todo o País. “A nossa cidade é que mais notifica acidentes ofídicos. É necessário seguir os protocolos do Ministério da Saúde (MS) tanto nas prescrições dos soros antiofídicos quanto na quantidade correta de ampolas, evitando o desperdício”, destacou ele.

MELHORES PRÁTICAS

Reconhecer a espécie do animal é determinante para a prescrição médica assertiva. Ou seja, para a escolha do soro adequado. Durante a capacitação, foi abordado sobre a importância de a equipe de emergência ficar atenta aos sintomas do paciente, pois é o principal sinal para essa identificação.

O município é prioridade no atendimento visto que é uma área onde se registram muitos acidentes ofídicos. Apesar disso, a quantidade de soro disponibilizado pelo Ministério da Saúde ainda é pequena.

Segundo o Dr. Renato, atualmente, apenas um laboratório produz os soros antiofídicos e distribui para todo território nacional. “Apesar de não haver falta do soro é preciso otimizar o uso dele. Sendo usado de forma correta ajudando o máximo de pacientes possíveis. Por isso a necessidade de capacitar os nossos colaboradores”, finalizou. Com informações e foto de Natashia Santana.

Fonte: Portal Santarém