Fundador jornalista Jerffeson de Miranda em 10 de janeiro de 2018

Cidadão Repórter

(93)91472925
Santarém(PA), Terça-Feira, 19 de Outubro de 2021 - 08:31
21/09/2021 as 14:47 | Por Redação | 2523
'Maior estelionatária do Pará', natural de Porto de Moz, é presa em Belém
Falsa chegou a embolsar aproximadamente R $ 10 milhões tendo como pessoas mortas de Altamira, Belém, Benevides, Porto de Moz e Brasília
Fotografo: Reprodução
Prisão de Otaciane Teixeira Coelho aconteceu nesta terça-feira (21), em seu apartamento

Uma mulher identificada como Otaciane Teixeira Coelho foi presa nesta terça-feira, 21, em seu apartamento na travessa Djalma Dutra, em Belém.  Otaciane é considerada pela polícia a maior estelionatária do Pará. Natural de Porto de Moz, a falsa chegou a embolsar a quantia aproximada de R $ 10 milhões tendo como pessoas mortas de Altamira, Belém, Benevides, Porto de Moz e Brasília. 

Segundo a polícia, entre as vítimas estão os empresários José Renato Heiss e Anderson Patriarcha Heiss, sócios proprietários da empresa denominada Heiss Táxi Aéreo. Ela se apresentava como herdeira de uma fortuna bilionária, que estaria bloqueada na justiça, e para movimentar mais de R $ 40 bilhões de reais, pedia dinheiro emprestado, oferecendo juros altos, quantias volumosas seriam que pagas assim que a justiça liberasse a suposta cotação. 

Prometendo comprar com o dinheiro de uma suposta bilionária uma aeronave tipo Turbo Hélice e depois Jato Learjet-35, avaliadas em R $ 5,5 milhões, Otaciane tirou das vítimas a quantia aproximada de R $ 1,6 milhão, prometendo devolver com a aquisição do citado veículo aéreo, o que nunca ocorreu. 

Nas redes sociais ela aparece sempre muito bem vestida, em festas, passando a imagem de uma mulher local e religiosa. Mas de acordo com as vítimas, tudo não passava de fachada. Otaciane atuava como tratado e corretora de imóveis, negócios usados para dar um ar de legalidade aos golpes. 

Dentre as vítimas de Otaciane estão ainda no Cartório Condurú, onde ela lavrou 8 escrituras públicas de doações de diversos valores a terceiros, e pagou com um check sem fundo. 

PRISÕES  

A mulher chegou a ser presa em Altamira e foi liberada. Depois disso, em julho desse ano, ela também foi presa em Brasília. Na época, aparelhos celulares, dispositivos de armazenamento e documentos apreendidos na residência foram encaminhados para a Urbana Seccional da cidade. Mas, mais uma vez, ela ganhou liberdade. 

Com informações do Portal Confirma Noticias. 

 




Notícias Relacionadas





Entrar na Rede SBC Brasil