Fotografo: Reprodução
...
70 peças estarão expostas na Exposição até o dia 06 de dezembro

A Amazônia cada vez mais ganha proporções no mundo, dentre como opção ao turismo internacional pelo leque, desde a natureza a cultura artística, seja exclusivamente brasileira e/ou nas afinidades a outros países. Na proposta de agregar elementos das culturas do Peru e do Brasil (etnia Tapajó de Santarém/PA) nesta segunda (04) ocorrerá a performance musical no uso de peças de cerâmica em argila. A apresentação será às 16 horas nas dependências do prédio público municipal Centro Cultural João Fona (CCJF). A responsabilidade dos músicos da Prefeitura de Santarém, por meio da Secretária Municipal de Cultura (Semc), entre o grupo, a regente da noite, a Marcelle Almeida.

“É inédita essa conexão cultural, a sonoridade que saí das peças por meio do sopro é magnifica, e nos aproxima dos elementos naturais harmônico da Amazônia. Uma das músicas que vou apresentar será [Águas de Chá], de minha autoria em homenagem ao rio Tapajós, porque quando você adentra nas águas, a busca e o resultado não se restringe apenas ao simples banho. Mas a sensação de alívio ou de cura. No percurso até a formação do rio, há uma série de substâncias muitas boas adquiridas por ele, que renova e nós dá alívio”, destacou a servidora da Semc e regente Marcelle Almeida”.

Para a Exposição “Sonoridade Ancestral“ foram produzidas 120 peças, dessas, 70 estarão expostas  até o dia 06 de dezembro. A produção foi resultado da oficina ministrada pelo artista ceramista Carlo Cury, através de pesquisa ao relacionar as finidades da arte ceramistas entre os antepassados indígenas do Peru e Brasil, especificamente de Santarém.

“Buscamos identificar cerâmicas em argila que pudessem criar sons a partir do sopro. E fizemos uma junção de obras e com apliques da cerâmica da etnia Tapajó nas peças peruanas chamadas de Botellas Sibadoras [Botijas Sonoras]. Participaram desta oficina 07 artesãos, quais 06 santarenos e 01 argentina morou temporariamente na Vila de Alter do Chão, explicou um dos participantes da oficina”, o Mestre na arte do saber popular e ceramista santareno, Elves Costa.

Na sexta-feira, 1º de novembro iniciou a edição 2019-2020 da Rota Turística Internacional. Aproximadamente 1.900 estrangeiros estavam a turismo na Pérola do Tapajós, a maioria deles norte americanos. Eles vieram a bordo do transatlântico “Viking Sun” de bandeira Norueguesa. Desses, 700 turistas foram prestigiar o acervo do prédio, entre a Sala de Exposição Temporária, as peças da Exposição “Sonoridade Ancestral”.

Segundo o guia de turismo da empresa da Rota Turística Internacional, Jackson Dezincourt, “o transatlântico Viking Sun realiza um dos Cruzeiros turísticos mais longo, estre de 245 dias, o município de Santarém é o primeiro tur da lotação no Brasil. Essa é uma das mais longas viagens de cruzeiros. Já passou por Miane e Nova York.  E aqui na Pérola do Tapajós, Manaus no Amazonas, depois Rio de Janeiro (RJ). Haverá o retorno a Santarém, no dia 29 de novembro, e depois ao destino de origem do Cruzeiro”, explicou.

A faixa etária dos turistas estrangeiros do Viking Sea, 60 a 90 anos. E visitaram também outros pontos no Centro da área urbana, a Casa de Farinha no Projeto de Assentamento Extrativista (PAE), a Flona do Tapajós, nesta visita uma grande operação no uso de 34 ônibus e 02 barcos.

Segundo Chefe da Seção de Turismo, Patrícia Chaves, “quando recebemos grande número estrangeiros na rota turística, nós buscamos estar  no apoio junto aos guias das empresas, sempre atentos a agilizar o percurso nas dependências do prédio, uma vez que a passagem deles é dinâmica e precisam estar alinhada ao cumprimento ao horário de  visitação em  outros pontos turísticos do nosso município”, explicou.

O Centro Cultural João Fona (CCJF) fortalece o setor educacional como espaço de estágio, a exemplo dos alunos da Escola Técnica do Estado do Pará (EETPA) do curso guia turismo que estão em estágio prático. “É de grande relevância ao nosso curso neste prédio, porque aliamos a teoria e a prática, somado a grande rotatividade de pessoas de diferentes lugares do mundo.  E isso leva a engrandecer ao nosso conhecimento neste estágio, quando nos coloca a vivenciar o nosso passado no contexto material e imaterial, e excelente essa oportunidade para base do guia de turismo”, revelou, a estagiária/aluna do curso guia de turismo da EETPA, Mara Jovana. Com informações e foto de Alciane Ayres/Agência Santarém.

Fonte: Portal Santarém