Fundador jornalista Jerffeson de Miranda em 10 de janeiro de 2018

Cidadão Repórter

(93)91472925
Santarém(PA), Domingo, 23 de Janeiro de 2022 - 03:19
30/11/2021 as 15:21 | Por Redação |
Estresse aumenta riscos de graves problemas de visão
Oftalmologista diz que a retinopatia serosa central é quando há um cansaço dos músculos internos dos olhos responsáveis por focar as imagens
Fotografo: Reprodução
Nervosismo é fator agravante para o surgimento de doenças

O estresse é algo que está se tornando cada vez mais frequente, principalmente por hoje a sociedade vive uma rotina mais agitada, além da cobrança diária que o mundo atual globalizado nos impõe. A condição é uma porta de entrada para outros problemas, muitos deles emocionais. Mas o que muita gente não sabe é que o nervosismo também afeta outras regiões do corpo, como os olhos, podendo trazer consequências graves para a visão, entre elas o surgimento da chamada retinopatia serosa central.  

 

Segundo o oftalmologista e professor Marcos Ávila, do CBV - Hospital de Olhos, a retinopatia serosa central é quando há um cansaço dos músculos internos dos olhos responsáveis por focar as imagens. “É uma doença moderna que traz uma coleção de líquido embaixo da retina, que chamamos de descolamento ceroso da retina”, explica.  

 

Esta condição é muito comum entre homens, com idade entre 25 a 45 anos, principalmente os impacientes. “Não é o que conhecemos como vista cansada, que é um envelhecimento na musculatura da parte da frente do olho, o que faz com que a pessoa necessite do uso de óculos”, destaca o oftalmologista.  

 

Sobre os sintomas, o especialista conta que podem surgir como um borramento da visão, diminuição abrupta da visão, enquanto outros sentem apenas distorção das imagens, principalmente da linha reta, além de durante a leitura as letras começarem a ficar deformadas. “Esse problema ocular é um fator que retroalimenta: conforme a pessoa fica mais estressada, a visão piora. Precisamos ter esse diagnóstico o quanto antes para esses adultos, nessa faixa etária de 30 a 50 anos, pois a síndrome pode ser tratada”, diz Marcos.  

 

O oftalmologista ressalta, ainda, que muitos dos pacientes têm uma cicatrização espontânea, mas que isso pode ser uma cilada. “Lá na frente esse fator traiçoeiro pode trazer consequências crônicas”, enfatiza. Algumas ações podem servir para amenizar o problema. “Recomenda-se a prática de esportes, yoga e exercícios de mentalização ao final de um cansaço extremo para melhorar o estresse. São pequenas alterações de carga hormonal que fazem com que a retina fique mais propensa”, explica o especialista. 

 

Fonte: Portal Santarém e Ascom

 

 

 

 




Notícias Relacionadas





Entrar na Rede SBC Brasil