Fundador jornalista Jerffeson de Miranda em 10 de janeiro de 2018

Cidadão Repórter

(93)91472925
Santarém(PA), Domingo, 11 de Abril de 2021 - 18:15
07/04/2021 as 14:21 | Por Redação | 152
Dia Mundial da Saúde: indústria paraense trabalha em conjunto para combater a pandemia
Empresas reforçam seu apoio a municípios do oeste do Pará durante o segundo ano de enfrentamento à covid-19
Fotografo: Reprodução
Atendimento de saúde do projeto Quilombo em comunidade do Oeste paraense

Para o Dia Mundial da Saúde, comemorado na quarta-feira, 7 de abril, a Organização Mundial da Saúde (OMS) convida todos a construir um mundo mais justo e saudável. A pandemia da covid-19 mostrou como algumas pessoas têm mais acesso a serviços de saúde do que outras, além de maior possibilidade de viver uma vida mais saudável, devido às desigualdades de posições, status e voz na sociedade e as condições em que nascem, crescem, vivem, trabalho e idade. 

A OMS mostra que hoje é necessário ter líderes que trabalhem em conjunto com as comunidades e indivíduos afetados; Garantam a coleta e uso de dados de saúde confiáveis e oportunos; Adotem uma abordagem global para lidar com as causas profundas das desigualdades e aumentar o investimento na atenção primária à saúde e; Atuem além das fronteiras nacionais. 

No oeste do Pará, a indústria tem mostrado atuação intensa que está alinhada aos objetivos da OMS. Um bom exemplo é a ampliação do atendimento de saúde básica e medicina preventiva, por meio do Projeto Quilombo, beneficiando milhares de pessoas de 25 comunidades quilombolas e ribeirinhas. Esta é uma das diversas ações desenvolvidas pela Mineração Rio do Norte (MRN) em municípios do oeste paraense, alinhada ao Grupo de Trabalho para o Enfrentamento à Covid-19 “Pela Vida no Trombetas”, durante a segunda onda da pandemia, em 2021. 

Liderado pelo Ministério Público do Estado do Pará, o grupo “Pela Vida no Trombetas” integra associações quilombolas, ribeirinhas e indígenas, universidades e instituições governamentais, que realizam ações conjuntas para minimizar os efeitos da pandemia e proteger as comunidades mais vulneráveis. “As soluções participativas que desenvolvemos com estes parceiros seguem numa evolução contínua”, assinala Vladimir Moreira, diretor de Sustentabilidade da MRN. 

Desde o início da pandemia, a atuação da Alcoa também tem sido fundamental para reforçar a estrutura de saúde do município de Juruti, também no oeste do Pará. Nesse período, a empresa, em um esforço conjunto com o Instituto Alcoa e a Alcoa Foundation, investiu o equivalente a R$ 4,3 milhões para suporte nas ações de prevenção e combate à covid-19. 

“Todas as iniciativas de apoio da Alcoa no enfrentamento da pandemia são voluntárias. Cuidar das Pessoas é um de nossos principais valores. Por isso, acredito que a união e a solidariedade são essenciais para superarmos este momento. Continuamos lado a lado, trabalhando em parceria com Governos, organizações civis e comunidade no enfrentamento da pandemia”, destaca Genesis Costa, gerente geral da Alcoa Juruti. 

As ações da companhia são voluntárias e articuladas com o Comitê Municipal de Enfrentamento ao COVID-19, montado pela Prefeitura de Juruti, do qual a Alcoa faz parte, junto com outros órgãos governamentais e entidades civis locais. Nesse período, a empresa destinou recursos para a compra de itens médicos, contratação de médicos intensivistas, apoio ao Barco-Hospital Papa Francisco, ampliação de leitos do Hospital 9 de Abril. 

A Alcoa também destinou recursos para ampliar o atendimento da hemodiálise no 9 de Abril, com aquisição de equipamentos e insumos e contratação de equipe multiprofissional de saúde. A unidade de saúde foi construída e equipada pela Alcoa, através de um conjunto de ações voluntárias da Agenda Positiva e é referenciada pelo Sistema Único de Saúde (SUS), atendendo a população de Juruti e moradores de municípios vizinhos. 

Oxigênio 

A população de Juruti viveu momentos delicados com aumento de casos e agravamento da pandemia, durante a segunda onda, no início deste ano. Mais uma vez, a Alcoa não mediu esforços, primeiro para transportar oxigênio e em seguida para contratar uma usina de oxigênio. 

“Em parceria com o Governo do Estado transportamos oxigênio aos municípios da Calha Norte e hoje a empresa opera uma usina de oxigênio, interligada ao Hospital 9 de Abril, que contribui para estabilizar o consumo de cilindros e dar mais tranquilidade aos profissionais que cuidam de pacientes com Covid-19”, destaca o gerente-geral da Alcoa Juruti, Genesis Costa. 

No município de Oriximiná, a MRN investiu R$ 125 mil em instalações de suporte à infraestrutura da Unidade de Pronto-Atendimento; doou 500 testes rápidos para diagnóstico de covid-19, 15 cilindros de oxigênio e medicamentos para a prefeitura deste município. Além disso, à Prefeitura de Faro doou seis cilindros de oxigênio, medicamentos diversos de apoio ao atendimento de pacientes com covid e 42 mobiliários hospitalares. Para a Prefeitura de Terra Santa foram cedidos 87 cilindros de oxigênio entre janeiro e março de 2021. 

Solidariedade 

Além do reforço na estrutura de saúde, a Alcoa integra o projeto “Juruti Contra a Covid-19”, coordenado pelo Instituto Juruti Sustentável (IJUS), com participação de entidades como USAID e PPA Solidariedade. O projeto inclui a doação de cestas básicas para a população em vulnerabilidade social devido às medidas necessárias de restrição impostas pela pandemia. 

Colaboradores diretos e terceirizados da Alcoa também atuam voluntariamente na doação de cestas básicas para as famílias vulneráveis, fortalecendo a corrente de solidariedade em Juruti. 

A MRN mantém campanhas permanentes de prevenção ao contágio da doença. Para apoiar centenas de trabalhadores das cooperativas CooperboaCoopermoura e Cooperbarcos, de comunidades quilombolas de Oriximiná que prestam serviços para a empresa, e seus dependentes legais, a MRN renovou termo de compromisso para custear os planos de saúde neste período de pandemia. A empresa cedeu, ainda, 30 notebooks e 80 pendrives para viabilizar a educação à distância do Colégio Equipe para estudantes das comunidades de Boa Vista e Alto Trombetas 2.  

Nestes 12 meses de pandemia, a MRN investiu mais de R$ 8 milhões em diversas ações como compra de equipamentos hospitalares, mobiliários, medicamentos, Equipamentos de Proteção Individual, testes rápidos, materiais de limpeza e higiene para hospitais de Oriximiná, Terra Santa, Faro e Óbidos. Também distribuiu, de março a dezembro do ano passado, 19 mil cestas básicas para 27 comunidades e 3 mil para a Prefeitura de Santarém, apoiou o hospital de Alenquer com equipamentos e doou R$ 39 mil para incentivar a geração de renda de microempreendedores quilombolas de Oriximiná com a produção de máscaras de tecido para proteção individual dos comunitários.  

Fonte: Portal Santarém e Iaci Gomes  

 




Notícias Relacionadas





Entrar na Rede SBC Brasil