Fotografo: Reprodução
...
Empresários do ramo de olarias se uniram e provocaram propositalmente a carência de tijolos

O valor exorbitante do milheiro de tijolos em Santarém, está tirando o sono de empresas e profissionais do segmento da construção civil. Uma fonte informou que os empresários do ramo de olarias se uniram e provocaram propositalmente a carência do produto, com intuito de aumentar o preço do milheiro de tijolos.

Em maio deste ano, segundo a fonte, o milheiro de tijolos era vendido a R$ 550,00. Quase três meses depois, o produto cerâmico está sendo comercializado a R$ 700,00, o milheiro.

A carência e o preço abusivo do produto, estaria provocando uma nova modalidade de crime em Santarém: o furto de tijolos em canteiros de obras. De acordo com a fonte, Santarém conta com abundância de insumos para a produção de tijolos. Porém, o preço ao qual o produto estava sendo comercializado, não estava agradando os empresários.

FISCALIZAÇÃO DO PROCON

Os preços de materiais de construção, sobretudo, do tijolo, praticados durante a pandemia do novo coronavírus (Covid-19), no Estado foram alvo de fiscalização do Procon/Pará, em julho último. Em duas semanas, o órgão recebeu mais de 100 denúncias sobre o aumento nos preços de materiais de construção, principalmente, do tijolo. Com isso, iniciou a operação “Construção Justa” e convocou o Sindicato da Indústria de Olaria Cerâmica para Construção e Artefatos de Cimentos Armado do Estado do Pará (Sindolpa) para uma reunião, realizada no dia 3 de julho.

O Procon Pará alertou para o aumento, chegando a quase 50%, nas olarias e estâncias que foram fiscalizadas pela operação “Construção Justa”.

O estado do Pará conta com 150 cerâmicas. Mas, segundo o assessor e gestor do Sindolpa, Alberto Rayol, ainda existem muitas produções clandestinas, o que dificulta a padronização dos produtos e preços.

O CARTEL

Segundo um advogado criminalista, consultado por nossa reportagem, um cartel é uma espécie de acordo entre empresas que trabalham na mesma área. Entre eles, são ajustados os preços, clientes, produção e onde vão atuar, isso acontece para que a concorrência acabe. Ou seja, os preços aumentam em todos os lugares, causando um lucro ainda maior, porém, o menos beneficiado são os consumidores.

Por: Manoel Cardoso

Fonte: Portal Santarém