Fundador jornalista Jerffeson de Miranda em 10 de janeiro de 2018

Cidadão Repórter

(93)91472925
Santarém(PA), Domingo, 23 de Janeiro de 2022 - 03:22
25/07/2019 as 14:53 | Por Portal Santarém |
Degradação na Serra do Índio ameaça Igarapé do Irurá em Santarém (PA)
Biólogos fazem o alerta às autoridades
Fotografo: Reprodução
Acúmulo de areia no leito do manancial acelerou processo de assoreamento do igarapé

Décadas de degradação e exploração mineral na Serra do Índio se transformaram em ameaça ao Igarapé do Irurá, em Santarém, segundo biólogos da Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa). Eles alertam que a grande quantidade de areia e lama que desce da Serra, em dias de chuva, está modificando as margens do Irurá, em paisagem desértica, onde a mata ciliar, em vários pontos, já não existe mais.

Ainda de acordo com os biólogos, tanta areia no leito do manancial acelerou o processo de soterramento e assoreamento do Irurá, gerando outro problema na cabeceira do igarapé, onde as águas estão sendo represadas, causando prejuízos tanto para a nascente quanto para os moradores das proximidades.

Por causa dos problemas ambientais no leito do manancial, os moradores relatam o sofrimento que passam nos dias de chuva. “Fica difícil a nossa situação aqui. Quando chove muito a água ultrapassa a ponte que fica aqui perto de casa e, aí não dá pra passar nem a pé. Motoristas e motociclistas têm que deixar a água baixar para poder passar na ponte. Nós acreditamos que isso já está acontecendo por causa do assoreamento do igarapé”, mostrou o morador, Antônio Pinto.

Já os moradores da Grande Área do Santarenzinho, local onde fica situado a Serra do Índio, reclamam de problemas de infraestrutura causados pelas enxurradas que trazem grande quantidade de areia para as ruas. “Já virou rotina todos os anos casas invadidas por lama e ruas sem condições de trafegabilidade. Tudo isso está sendo ocasionado por essa Serra, porque a água desce muito forte dela”, revelou à moradora, Ziana Silva.

Para ela, as autoridades de Santarém devem tomar providências relacionadas aos impactos ambientais e sociais causados pela Serra do Índio. “Eu lembro que essa Serra era um local muito lindo. A destruição dela começou quando construíram o novo aeroporto de Santarém. Eu era criança quando vi uma máquina de uma instituição militar subir até o topo e começar a derrubar a Serra”, afirma Ziana.

Outra moradora também conta relatos sobre a degradação ambiental na Serra do Índio. “Depois que os militares derrubaram a Serra bem no meio, muitas pessoas começaram a explorar os recursos minerais dela. Eu cheguei a ver dezenas de trabalhadores explorando e vendendo pedra, areia e quebradinho (cascalho) para serem usados na construção civil aqui em Santarém”, contou a moradora, Elcy Almeida.

Além delas, a moradora, Socorro Campelo, lembra que em várias áreas do igarapé a água era limpa e podia ser utilizada até para consumo da população. “Eu. Minha mãe e meus irmãos, a gente usava essa água para lavar louças, tomar banho e lavar roupas, aqui na ponte da Toca da Raposa. A água do Irurá era uma limpa e azul. Hoje, o que temos é a tristeza de ver esse manancial ser destruído!”, exclamou Campelo.

PROBLEMÁTICA

Localizado a margem direita da rodovia Santarém-Cuiabá (BR-163), o manancial hídrico do Irurá tem sua principal nascente na Serra da Rocha Negra, na zona sul da cidade, onde banha 5 bairros do Município, desaguando no Lago do Papucu, as proximidades do rio Tapajós. De acordo com biólogos da Ufopa, além dos problemas causados pela degradação da Serra do Índio, o Igarapé do Irurá se encontra em processo de contaminação, também, devido a influência da urbanização e a proximidade com a rodovia Santarém-Cuiabá. Os biólogos alertam que caso os órgãos ambientais não tomem providências sobre a poluição, nas próximas décadas, o Irurá poderá deixar de existir.

Fonte: Portal Santarém

 




Notícias Relacionadas





Entrar na Rede SBC Brasil